terça-feira, 30 de março de 2010

Caravana da Vitória percorreu vários municípios do Acre

Durante uma semana, a Caravana da Vitória percorreu diversos municipios do Vale do Juruá e Alto Acre com o compromisso de levar a mensagem da palavra de Deus ao povo, com o objetivo de unir as igrejas contra as perseguições e potestades do mal.

Organizada pela Boas Novas, em parceria com as igrejas: Internacional da Graça de Deus, Mundial do Poder de Deus, Assembléia de Deus, Evangelho Quadragular e outras denominações, a mobilização começou no dia 19 de março , com um grande culto de celebração e conquista no municipio de Assis Brasil, seguindo ao municipio de Placido de Castro, Porto Acre, Sena Madureira, Manoel Urbano, Santa Rosa e encerrou-se no templo da igreja do Evangelho Quadrangular – Estação Experimental na capital Rio Branco.


Na ocasião de cada culto, os lideres das denominações levantavam um grande clamor profético pela Boas Novas – Rádio – Televisão e Internet no estado do Acre e Brasil, missionária Antonia Lúcia Câmara e pelo estado do Acre. Aliançados e comprometidos com a obra de Deus, reverendo Denilson Segovia afirma:“ Nesta corrente firmada por Deus, ninguém poderá destruir a obra que Ele levantou nesse estado”.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Uma palavra de vida

Isaías 54-2 - Amplia o lugar da tua tenda, e estendam-se as cortinas das tuas habitações; não o impeças; alonga as tuas cordas, e fixa bem as tuas estacas.
Por que vem chegando multidões.


Glória a Deussssssssssssssssss

Missionária Antonia Lúcia Câmara visita o Vale do Juruá


A missionária Antonia Lúcia Câmara e a equipe de missionários realizaram, a primeira de muitas viagens ao interior acriano, previstas para este ano 2010, com o intuito de conhecer melhor o Acre e verificar as demandas de cada município, dialogando com lideranças cristãs, comunitárias, movimentos sociais, categorias profissionais, mantendo assim um contato direto com o povo.



Nesta primeira incursão pelo

Acre no Tempo de Deus, realizada no mês de novembro do ano passado, missionária Antonia Lúcia visitou os municípios de Cruzeiro do Sul, Feijó, Mâncio Lima, Rodrigues Alves e outros que compõem aquela região tão carente de recursos e apoio.






Aplaudida pelos seus conterrâneos, a mesma agradece a Deus diariamente pela família e por todos que acompanham seus trabalhos há 14 anos, em prol da população sofrida e carente.




“Sou muito grata a Deus pela minha família que tem-me apoiado, e a todos que oram e intercedem por este trabalho tão maravilhoso e prazeroso. Mais ainda acreditamos que tempos melhores virão.”

quinta-feira, 18 de março de 2010

A Violência no Brasil



A violência vista à luz do dia

O Brasil é considerado um dos países mais violentos do mundo. O índice de assaltos, seqüestros, extermínios, violência doméstica e contra a mulher é muito alto e contribui para tal consideração. Suas causas são sempre as mesmas: miséria, pobreza, má distribuição de renda, desemprego e desejo de vingança.

A repressão usada pela polícia para combater a violência gera conflitos e insegurança na população que nutrida pela corrupção das autoridades não sabe em quem confiar e decide se defender a próprio punho, perdendo seu referencial de segurança e sua expectativa de vida.

O governo, por sua vez, concentra o poder nas mãos de poucos, deixando de lado as instituições que representam o povo. A estrutura governamental torna a violência necessária, em alguns aspectos, para a manutenção da desigualdade social. Não se sabe ao certo onde a violência se concentra, pois se são presos sofrem torturas, maus tratos, descasos, perseguições e opressões fazendo que tenham dentro de si um desejo maior e exagerado de vingança.

Se a violência se concentra fora dos presídios, é necessário que haja um planejamento de forma que se utilize uma equipe específica que não é regida pela força, autoridade exagerada e violenta. Medidas precisam ser tomadas para diminuir tais fatos, mas é preciso que se atente para a estrutura que vem sendo montada para decidir o futuro das cidades brasileiras.

Não é necessário um cenário de guerra com armas pesadas no centro das cidades, mas de pessoal capacitado para combater a violência e os seus causadores. Um importante passo seria cortar a liberdade excessiva que hoje rege o país, aplicar punições mais severas aos que infringirem as regras e diminuir a exploração econômica.

Por Gabriela Cabral
Equipe Brasil Escola